Decisão de Cesar Asfor Rocha inspirou criação da Lei da Ficha Limpa

Decisão de Cesar Asfor Rocha inspirou criação da Lei da Ficha Limpa

PR Newswire

BRASÍLIA, Brasil, 31 de janeiro de 2018

BRASÍLIA, Brasil, 31 de janeiro de 2018 /PRNewswire/ -- A decisão do Tribunal Regional Eleitoral da 4a Região sobre a prisão de Lula suscitou uma série de dúvidas sobre a Lei da Ficha Limpa. Aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada em 2010, a regra se transformou num símbolo da luta contra a corrupção. Mas quatro anos antes de surgir, uma decisão do ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Cesar Asfor Rocha, já ensejava sua criação.

Em 2006, o ministro Cesar Asfor Rocha ficou vencido, junto com Ayres Britto, do Supremo Tribunal Federal (STF), e José Delgado, seu colega de Superior Tribunal de Justiça (STJ), no julgamento em que o TSE concedeu registro a um candidato a deputado federal que havia sido condenado, em segunda instância, por resistência.

"Na área penal, o princípio da presunção da inocência é inderrogável", diz Cesar Asfor Rocha. "Mas no campo eleitoral ele se esvai diante de uma condenação em segunda instância pois a própria Constituição Federal manda que se analise a vida pregressa do candidato para conceder ou indeferir seu registro de candidatura", sustentou o ministro à época. Em resumo, a decisão é a base da Lei da Ficha Limpa.

O entendimento dos ministros, à época, era o de que permitir aquela candidatura seria o mesmo que equipará-la a de qualquer pessoa que não tivesse nenhuma acusação.

Outros quatro ministros, contudo, fizeram valer o princípio da presunção de inocência. Mas ali, no final das contas, foi plantada a semente da legislação que passou a barrar candidaturas daqueles que têm contra si decisões condenatórias por órgãos colegiados da Justiça.

Standard Comunicação
Contato: (21) 9.7263.661

FONTE Cesar Asfor Rocha

Voltar noticias em Português no Mundo